Cuco.

julho 18, 2012

Duas cadeiras e mais um luar, eu tento te olhar, eu tento te encontrar.
Meio copo de vinho e um largo pranto, minhas mão sentem meu peito a pulsar.
Um lençol lilás cobre meu corpo, desacentuando as curvas que nunca existiram.
Três ou quarto pessoas festejam e bocejam sem alimentar o seu pesar.
Quarenta e duas horas sem o corpo sentir o afago do sono. 
Primeiro a noite, depois o dia, depois o tempo, depois a vida.
5 minutos para o primeiro corte, bem largo, bem fundo, demarcado de magoas.
No segundo em que vejo o sangue jorrar para fora dos meus pulsos, eu penso sem querer em desistir, penso e vejo. 
Futuro não haverá, o futuro que era meu, acabou de terminar.
 

— 
Camila Leite

1 – Seja compreensivo: Alguns corintianos realmente nascem corintianos. A educação não importa, quem dita as regras é a índole das pessoas. Então seja paciente com ela.

2 – Saiba seu lugar: Corintianos largam a mão de qualquer coisa pelo seu time. A mãe, o pai, namorado, religião… Qualquer coisa. Muitas horas irão dizer “O corithians veio antes na minha vida” ou “Eu amo você, mas eu amo mais o Corinthians”… Relaxe. Sua namorada pode não ter discernimento o suficiente para diferenciar um ser humano de um esporte… Pode acontecer com corintianos.

3 – Nunca vá com ela à uma final: Vai sair briga, pois vão querer colocar a culpa em você. Você deu azar, não torceu, catimbou… Esqueça essa idéia!

4 – Se o corinthians perdeu, esqueça!:  Não comente, não abra a boca. Acredite, vai ser melhor assim.

5 – Saiba ouvir: Em algumas situações sua namorada vai falar de Corinthians até não poder mais. Sorria, agüente, entenda… Se controle! Ela vai falar e falar do time dela. Dê atenção e deixe ela extravasar aquilo que não presta!

6 – Procrastine: Se ela quiser discutir relação depois de uma derrota do corinthians, seja esperto e procrastine essa discussão. Finja que tem algo a fazer, que precisa ajudar a sua mãe… Mas saia de mansinho. Logo ela esquece e você sairá intacto de uma “DR” mal pensada.

7 – Não tenha filhos: Vai ser irritante o conflito de ambos, e acredite, ela vai levar a melhor.

8 – (Por outro lado) Tenha filhos: Filhos fazem ela amar algo mais do que o Corinthians, pode valer a pena o risco.

9 – Se seu time ganhar do dela: Diga que o time dela jogou bem, que mereciam até o empate; que foi um bom jogo… Isso pode aliviá-la numa derrota… Deixe pra rir em casa… Mas se essa vitória for numa final, leia novamente a dica número 3.

10 – Cuidado: Nunca poste um artigo assim se sua namorada for corintiana.

DICA BONUS: Ame-a, mesmo com todos esses defeitos. Ame-a. Porque você nunca vai se agradar com uma pessoa que não tenha diferenças. A graça está nos conflitos e diferenças… Faça como eu… Simplesmente ame-a e curta tudo o que puder, afinal, o grande desafio da vida está em sobreviver amando alguém diferente de você! AME-A.

Vicios

julho 4, 2012


Não gosto de fazer apologias e nem incentivar ninguém ao que não presta, mas adoro ficar com meus vícios.

Acho que os vícios são importantes para a formação de um ser humano! Sério mesmo! Não falo de vícios em drogas pesadas, tipo o crack, cocaína ou a Igreja Universal, falo de coisas um pouco, só um pouquinho, mais saudáveis.

Os vícios fazem você testar seus limites. Para os fumantes isso é muito comum. Pessoas que fumam (cigarro comum, aqueles que se compram em padarias) são colocadas em xeque o tempo todo, ao menos na cidade de São Paulo. Quando vou a bares, ou coisas do tipo, se não há um lugar na calçada, sou obrigado a me segurar o maior tempo possível dentro de um estabelecimento sem poder dar uma deliciosa tragada, tudo porque, hoje, nessa cidade é proibido fumar em qualquer lugar que seja coberto, acredite, nem debaixo de um toldo é permitido, ou seja… Os toldos podem salvar a vida de milhares de fumantes! Deviam instalar toldos pela Marginal Tietê e na Avenida Paulista para que eles pudessem salvar a vida de milhares de transeuntes que circulam nessas vias todos os dias.

Se eu vou na casa de um parente, tenho que maneirar na cerveja, ou às vezes me abdicar totalmente desse sublime líquido: “O que pensaria sua tia?” – diz minha mãe; “O que falariam seus primos” – diz minha vó! “Caralho, também quero beber” – Diz meu pai!

Meu pai é um grande companheiro de copo, mas ele também não gosta muito de me ver bebendo coisas alcoólicas!

Não, ele não acha que EU beber seria falta de educação, mas ele detesta a idéia de que, hoje em dia,  agüento bem mais que ele.

Voltando aos vícios, agora é aquele que perturba ao menos mais da metade da população masculina e metade da metade (talvez eu esteja exagerando, pode ser menos) da população feminina: O sexo!

Sexo é bom, todos sabem… Bom… Quase todos… Ok, algumas pessoas sabem disso! Todos os homens gostam de sexo. Até virgens gostam de sexo, padres gostam de sexo! A Tamy, filha da Gretchen, gosta também… Todos nós, machos, gostamos de sexo, e é terrível algumas situações que nos são impostas.

Homens entram em pane ao estarem no metrô abarrotado e darem de frente com uma menina de decote generoso e seios bonitos (sempre que digito “seios”, sempre acaba saindo “seis” e tenho que corrigir… é perda instantânea de concentração!), simplesmente perdemos as estribeiras e entramos num teste resistido de autocontrole, muitas vezes sem sucesso, mas lutamos para não olhar. Aí você pensa em cachorrinhos mortos, nas criancinhas da África e na Dercy, mas não adianta. Você sabe que aquele decote está lá, você sabe que é só olhar… Você percebe que ele também está te olhando… Aí vem a fraqueza e, rapidamente, você dá aquela olhadinha… Você só não percebe que aqueles seios têm uma cabeça humana pouco acima deles e que, ela também, está te observando… Aí é tarde… Você já foi fulminado por um olhar raivoso… E chega a decepção interior, a vontade de não ter feito aquilo… A vontade de desaparecer… Então, como os vícios são uma fonte de aprendizado, prometemos a nós mesmos não repetir aquilo… Durante dois minutos… Aguentaríamos mais cinco minutos, mas sabemos que o período em média de uma estação à outra é de dois a três minutos, então temos que dar mais uma olhadinha… Vai que o decot… Digo… A menina desça na próxima parada!

Sexo também é vício… E é o pior deles!
E já notaram que a maioria dos vícios é oral?

Temos que fazer de nossos vícios uma fonte do saber. Usá-los para compreender nossa força interior. Quem fuma, deve tentar ficar mais tempo sem fumar, quem bebe, ficar um tempinho sem beber… Quem transa, deve…

Tô ficando triste com esse texto.

Esqueça tudo o que eu disse.

Boa noite.

– ­Sérgio Charro. 

Mulheres.

junho 22, 2011

Ao ver um “post” de uma amiga no blog dela, tive que dar minha opinião sobre meninas que se disfarçam com apetrechos que enganam os homens fazendo com que seus hormônios vão às alturas, e na hora do “vamos ver” vão diretamente ao solo!

Essa coisa de bojo! Quem foi a criatura enganosa que inventou o bojo?

Mulheres que usam bojo deveriam ser processadas por propaganda enganosa! É essa a verdade.

Imagina só! Você conhece aquela ruiva fantástica, corpo perfeito, seios fartos. E ela resolve te dar bola! Então vocês vão para um lugar mais intimo e zaz, ela tira a roupa!

– Nossa, de onde saíram essas mangueiras?
– Não São mangueiras, são meus seios!
– Puxa. Desculpa!

Que horrível!

A menina enganou com o tal do bojo, pois tem seios que parece mais dois pudins que ficaram fora da geladeira por três dias e você é quem ainda tem que pedir desculpas!

“Nossa, Charro, que grosseria!”

Não, meninas! Já fiquei com garotas assim, e no fim das contas eu quem levou a bota…  fiquei até triste. Isso é o de menos, porém eu acho que a verdade deve ser mostrada.

A vaidade chegou em um estado em que a Filomena pode se transformar na Lindsay Lohan com algumas horas frente ao espelho com suas maquiagens.

É legal você ter vaidade, mas quando chega ao ponto de a menina mergulhar na Hidromassagem, a água ficar turva e outra pessoa sair de baixo da água, é que existe algo errado aí!

Meninas, não usem bojo, não exagerem na maquiagem. Se querem mudar, façam uma plástica que não vai fazer surpresa na hora em que se despirem ou tomarem banho! De certo que plástica é aquela coisa, vai deixar o pescoço com tantas pregas que vai fazer uma saia de colegial ser fichinha… Mas aí é só dizer que tem problema de pele, sei lá!

Mais cuidado meninas!

O conteúdo de um bom produto reside justamente no interior da embalagem, e não no pacote. A melhor cachaça que já tomei nem rótulo tinha.

Reflitam sobre isso!

Obrigado pela atenção,

– Sérgio Charro.

Espero a dor passar.

junho 15, 2011

Espero a dor passar… Espero.

 Meu peito arde… Espero.

 Tomando chá sentada. A dor persiste. Meu peito sobe e desce, não quero sentir as lágrimas úmidas molharem meu rosto vermelho.

  Respiro e penso. Mentira. Não penso. Não tem o que se pensar. Não tem o que se sentir, a não ser a voz doce de Bowie vibrando o ar, o chão, o teto e minha cama. Eu sentada e olhando para ela vazia, fria. Arrumada e feita. Devidamente aconchegante. Não para mim. Eu só quero ficar aqui nessa cadeira dura e firme. Firme. Estável. Que ela me estabilize. Que ela segure meu pranto. Eu não posso cair. Não posso abrir feridas.

  Meus olhos pesam toneladas, eles querem se fechar para as lágrimas tomarem seu curso. Eu resisto. Procuro outros sentimentos. Amor? Não, ele não serve. É doce de mais; sensível de mais; volúvel de mais. Deveria de se vender amor igual café. Só precisa diluir em lágrimas. “Tome aqui o seu amor, pode prepará-lo pela manhã, tarde e noite. Tenho certeza de que você vai gostar e querer mais”.

  Então vamos a outro. Ódio? Não, também não serve. Duro de mais, resistente de mais, insolúvel de mais. Deveriam vender ódio para construir imóveis. Eles durariam para toda eternidade. “Entre aqui nessa casa feita de ódio e sinta-se a pessoa mais segura do mundo. Vai ter para sempre os momentos vividos sob ele”.

  Penso em desistir. Não existe um sentimento para descrever a porta que não se fecha e nem se abre, a lâmpada que não se apaga e nem acende. Tudo parado. Morto. Vivo. Como se a carne estivesse viva e pulsante em um corpo morto e gelado. Duas coisas que não são iguais. Duas coisas que não se encaixam. Não mais. Mas continua ali. E de repente uma lágrima se torna fugitiva e me traz de volta a sentir. Eu sinto. SENTIMENTO. Esse ou aquele, não sei… Não sei o nome. Não tem nome. Misturou-se. Deixou de ter sentido. Deixou um vão. Um buraco vazio e frio.

 Desisto.

  O medo me leva pro meu ponto de fuga. Eu fujo. Fujo. Corro de medo. Corro do frio. Arremesso me a cama e lá, como se tudo não fosse de verdade, eu choro baixinho. Escondido. Sombrio. Eu choro. Procuro achar um pouco de mim entre lençóis, travesseiros e dores. Levou embora. Perdi o tempo. Perdi o espaço. Perdi a relevância. Só sou lágrimas que vão molhar minha face, meus lençóis e sumirão no colchão. Esvaio-me… Já fui!

Postado por: Camila Leitte

Sejam bem vindos!

junho 15, 2011

Oi,

Este não é apenas mais um blog… Tá bom, vai, é sim.
Não adianta falar assim porque vocês sabem que é mais um em tantos outros, mas na verdade pouco importa pra gente.

Sejam bem vindos. Peguem seus respectivos copos de leite, acendam seus cigarros que a gente aqui vai começar a falar… “MERDA”, claro… Algumas vezes nem tanta “merda”. Viemos aqui pra falar do cotidiano e postar alguns textos nossos, porque é isso o que queremos fazer… Comentar sobre a vida. Não necessariamente sobre a nossa vida, pode ser sobre a de vocês também… Então não nos dêem motivo.

Este blog será por vezes alegre e sadicamente bem humorado, em outras horas, triste como o fundo do poço. O fundo do poço é um lugar triste, não é? Quem aqui já assistiu “O Chamado”? Então…

Espero que dêem risada, que chorem e que comentem… Mas se nada disso acontecer, nada vai mudar, pois nem saberemos que passaram por aqui!

Para saber mais sobre cada um de nós, clica ali em cima no link “Sobre Camila Leitte e Sérgio Charro”.

Reservem suas caixas de leite. Comprem pacotes de cigarro! Pois depois do surgimento desse blog, tudo será como era antes e nada vai mudar.

Sejam bem vindos.

Camila Leitte e Sérgio Charro.